Monthly Archives: December 2011

Sobre Salvador (por Fredie Didier Jr.)

(este texto abaixo não é meu, mas concordo com ele 100%. O autor é Fredie Didier Jr.)

 

Ouvi de um guia grego que o legado histórico da Grécia não são seus monumentos, que são poucos, mas, sim, as suas ideias. Na Grécia, os monumentos que existem representam ideias que já existiam. Os anfiteatros gregos foram construídos para servir ao teatro que já se praticava – o teatro precedeu o anfiteatro. As ideias, disse-me, devem preceder os monumentos.
Lembrei-me de monumentais estádios de futebol sendo construídos em cidades que não possuem futebol profissional; belas e imensas esculturas de mármore representando canalhas etc. Monumentos que precedem ideias. Lembrei-me, ainda, de episódio de “O Bem Amado”: Odorico Paraguaçu inaugurando o cemitério, a maior obra de sua gestão, o seu mais grandioso monumento, construído em uma cidade em que ninguém morria.
Lembrei-me da minha cidade, com tristeza e melancolia. Salvador não passa por um bom momento histórico.
Não falo da crise em sua monumentalidade: Pelourinho abandonado, metrô inacabado, ruas sujas. Embora grave, este tipo de problema é de solução mais fácil.
Não me refiro, igualmente, à violência que nos assola. A violência impressiona, mas não destoa do que acontece em outras metrópoles.
Falo de outra espécie de crise, mais profunda e de efeitos mais deletérios. Salvador está em crise existencial.
Salvador foi, entre as décadas de 40 e 60 do século passado, um dos dois maiores polos culturais do Brasil. Caracterizava-se por uma efervescência criativa impressionante. Edgard Santos, na UFBA, era o grande timoneiro, trazendo à Bahia figuras como Agostinho da Silva, Eros Martim Gonçalves, Lina Bo Bardi, Ernst Widmer, Hans Koellreutter, Lia Robato e Yanka Rudzka. Em um mesmo local e uma mesma época, Diógenes Rebouças, Walter da Silveira, Carybé, Jorge Amado, Pierre Verger, Mário Cravo, Floriano Teixeira e Pancetti podiam ser vistos caminhando pela cidade. Machado Neto, jurista inigualável, assombrava; Milton Santos já mostrava o talento de quem se tornaria um dos maiores geógrafos do mundo. Para não falar da Ângulos, na Faculdade de Direito.
Não por acaso, logo apareceriam a Tropicália e o Cinema Novo. A primeira, com Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Tom Zé, Rogério Duarte e Capinan, no final da década de 1960, um movimento cultural vanguardista essencialmente baiano; o segundo, com Glauber Rocha, entre o final dos 50 e o início dos 60, que teve em Salvador um dos seus centros de influência. Isso sem falar de Maria Bethânia cantando Carcará e de João Ubaldo Ribeiro iniciando sua vida profissional. Não faltavam ideias, não faltava ousadia, não faltava gente. Era a “vanguarda na Bahia” (Antônio Risério).
Mas, de alguns anos para cá, Salvador parece que perdeu o viço. A cidade, que “começou a existir para que o Brasil existisse” (Antônio Risério), apequenou-se.
O que marca Salvador atualmente? Quais as nossas ideias? Qual a nossa contribuição? De que modo interferimos no Brasil e no mundo?
Temos de retomar a nossa caminhada e refundar a cidade. Dar início a uma espécie de Renascença soteropolitana. Construir uma Recidade, como talvez dissesse Gilberto Gil.
É preciso fazer com que competência, criatividade, ousadia, inventividade, esmero, beleza, talento e dever sejam considerados valores indispensáveis ao desenvolvimento da cidade.
É preciso que o rigor não seja interpretado como tirania, o refinamento, boçalidade, e a inteligência, um insulto. Êxito, sucesso, prestígio não podem ser motivo de anátema. Temos de reconstruir a semântica da nossa convivência, para que ambição e vaidade sirvam para compor frases sem teor pejorativo. É preciso resgatar a ambição pela excelência e a vaidade do fazer bem feito.
Quem sabe, assim, “a seta” da cidade “acerta o caminho e chega lá”, como diz Caetano. Nessa canção, Caetano dirige-se à cidade e pede a ela que insista no que é lindo e, então, “o mundo verá tu voltares rindo ao lugar que é teu no globo azul, Rainha do atlântico sul”.
Salvador merece que façamos tudo isso por ela e a gente merece voltar a sentir orgulho da nossa cidade.